Total de visualizações de página

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Um pouco da minha jornada terrena

Durante muitos anos me senti perdida ou desconectada da realidade dessa existência. para mim, viver nessa esfera sempre foi um grande desafio. 
Procurei durante anos entender as questões da vida em todos os seus sentidos e somente há pouco mais de 5 anos comecei a procurar entre livros e literaturas como seria ser e o que era ser uma pessoa simples, comum ou "normal"assim como eu percebia a maioria das pessoas. Observava muito cada pessoa, seus hábitos, seus costumes , sua forma de lidar com  a vida. Sempre fui do tipo de pensar demais. sempre gostei de ler assuntos relacionados com a mente, suas funções, livros místicos, isso me atraía profundamente 
Recentemente conheci uma alma incrível ( entre outras também ), mas essa em especial retratou em dois livros a sua experiência até agora nesses livros onde eu me encontrei.Confesso que foi esse o motivo de estar aqui e agora falando um pouco da minha vida. Levei muito tempo a procura de mim mesma e nesses livros de linguagem pura e simples retrata a vida de maneira muito clara. Esse escritor, professor de meditação, artista plastico  me ensinou a ver que não estava sozinha nessa esfera e abriu-me portas que antes não sabia como fazer. Não sabia como lidar com minha energia, com minha essência em plenitude. confesso que estou aprendendo bastante sobre mim mesma.( viva a impermanência! ).
Não tinha coragem de falar sobre mim. Isso me custaria muito pois sempre esperava alguma crítica, geralmente vinda de julgamentos e opiniões que eu estava cansada de escutar. 

Nasci em 1959, em junho, numa noite fria e de muita chuva, minha chegada foi muito interessante conforme as estórias contadas por minha mãe.  Nasci em casa, com o auxilio de minha avó materna e bisavó. Logo após chegar aqui abriram a janela e mostraram-me à noite, fria e chuvosa elevando-me ao céu. 
Não fui a filha desejada pelo meu pai biológico e seu desejo era que eu fosse tirada do ventre de minha mãe aos 6 meses de gravidez.
Minha mãe como  era muito ligada a Virgem Maria e Jesus, suplicou ajuda e segundo ela em uma noite viu a presença de Jesus  no pé da cama, acima do chão e com um sorriso singelo apenas acenou com o gesto de "não".  sorriu e desapareceu. 
Minha mãe caiu em prantos e beliscou o braço pois achava que estava em delírios.
Estava acordada sim.
Eu era a segunda filha de uma turma de 3 meninas, após 10 anos chegaria a quarta.
Meu pai trabalhava na antiga Varig, era comissário de bordo, piloto e depois comandante. passou a sua existência em voos e quase nunca tínhamos a sua presença em casa. sempre que possível quando ele estava presente ele usava um equipamento que só usava a noite para ver as estrelas. Aquilo para mim era fascinante! eu as via como se fossem parte de mim mesma. ficava encantada com aqueles momentos raros. 
Um dia ele disse: Vê aquelas 3 estrelas lá no céu? uma do ladinho da outra? eu disse: sim, são  lindas! ele disse: essas são vocês trés
as Três Marias. Fiquei feliz. eu era uma estrela.., a do meio. a segunda e isso me encheu de alegria. 
A relação de meus pais sempre foi muito difícil. não havia amor naquele lar. isso eu sentia tão fortemente mas não sabia explicar ou falar para ninguém. eu contava com 5 ou 6 anos e lembrava de cada detalhe que vivíamos naquele apartamento. 
Não gostava dele. não gostava do Bairro. Era em Porto Alegre onde nasci. Na verdade o que mais me encantava naquele lugar eram as árvores, as flores, o aroma, as flores. isso para mim era um presente especialmente na primavera. 
Creio que para o meu pai o mais importante era o status, o Clube, a Escola ( sempre a mais cara ) , as aulas de piano que frequentava no mesmo prédio. amava piano... amava musica e escutava minha mãe cantar.. e cantava muito bem. 
Tudo era restrito. não podíamos brincar normalmente como qualquer criança, na terra, de pés descalços ou vestida com roupas simples. deveríamos andar como ele. sempre arrumado e engomado. Apenas quando ele viajava, minha mãe nos levava para a casa da nossa vó materna, no bairro Glória. era a hora da felicidade total. lá podíamos brincar na terra, tinha muitas árvores e aquilo  era puro encantamento. eu amava aquele ambiente. 
Eu detestava tudo aquilo. roupas caras, brinquedos caros, escola cara  e assim por diante. minha mãe devia estar impecável. casa impecável,  mesa impecável. era torturante para mim. não via felicidade no  olhar dela e via medo em minhas irmãs. 
Muitas vezes presenciei brigas e surras que minha mãe levava. eu em diversos momentos me atirava contra ele e claro, apanhava junto. apanhávamos  sem razão. apanhávamos se não soubesse a tabuada coisa que regularmente ele tomava de nós em fila indiana. era terrível.  na hora do almoço a mesa lindamente posta todos deveriam comer tudo, caso contrário a surra era certa ou castigo. 
Meu pai sentava com a cinta no pescoço.
Aos domingos era obrigatório a ida a igreja. minha mãe seguidamente ia para lá e eu via que ela voltava com os olhos inchados. não perguntava nada, mas percebia que nada estava bem com ela. 
Meu pai raramente frequentava a igreja.
A Escola que frequentávamos era de freiras. eu adorava puxar aquela coisa branca que elas usavam na cabeça e dizia sempre que seria uma freira. o cheiro e o lugar onde elas moravam era de antigo. ficava na escola mesmo os quartos delas. 
Uma em especial me entendia. Irmã Maria. de sorriso largo e ela me passava paz. 
O primeiro ano no maternal para mim  foi terrível. não queria ficar lá. tinha medo daquele lugar. minha mãe pacientemente ficava até eu acostumar com o ambiente. 
Muito perto da escola tinha a Igreja, onde podíamos ir acompanhadas das freiras, tinha um grande espaço verde e alto onde eu corria e me sujava toda de terra. era certo que eu seria repreendida. 
Eu não gostava de estudar. achava aquilo tudo de mentirinha na minha cabeça. apenas as cores, lápis de cor, papel para desenhar, tintas eram o meu melhor momento. pintar! desenhar! isso era vida para mim.
A cada lugar que ia naquela igreja sentia  a energia de cada cantinho. alguns me fazia sentir muito medo. outros uma leveza.
Na Igreja, tinha um grande salão onde era realizado alguns cursos eventualmente e para minha alegria tinha um piano velho. 
Eu  fugia das aulas , aos 6 anos e ficava lá, tentando tocar piano. 
era mágico aquele lugar. enorme. eu, o piano e ninguém mais. 
Não gostava de muitas pessoas juntas fazendo coisas iguais ou repetindo ao mesmo tempo cantos, matérias da escola ou coisa assim. era impaciente e não  gostava de ouvir histórias de Jesus. 
Eu dizia mentalmente: isso tudo é mentira. sei que é. mas na minha inocência como falaria isso para alguém? impossível. 
Eu era uma criança alegre, pelo menos tentava ser para agradar as outras pessoas mas no fundo era tímida e disfarçava isso muito bem e por anos e anos. 
Não tinha nenhuma atração pelas minhas irmãs. não sentia que era igual a elas e com o passar do tempo achei que eu era a filha estranha pois não agia nem pensava como elas. eu era a criatura mais estranha naquela casa, naquela escola, naquela igreja. 
Muito cedo levava bilhetinhos para casa. era desatenta. não  parava na classe, não acompanhava a turma, ou seja, eu me sentia a zero a esquerda. 
Minha companhia ideal era minha mãe e minha cocota que ganhei com muito custo pois não podíamos ter animais em  apartamento. 
Eu entrava em depressão e saía. não queria ir a escola. queria ficar em casa com o minha cocota. 
Tínhamos empregada doméstica, lavadeira, faxineira e minha mãe não  podia sair para muito  longe quando  meu pai estava por perto. 
As raras vezes que passeávamos juntos dava para contar nos dedos. 
Não via felicidade em nenhum gesto dele. Hoje, percebo  o quanto eram infelizes. Meu pai queria apenas um filho ou filha.
Naturalmente ela era a mais aplicada, fazia tudo o que ele gostava e era muito estudiosa, disciplinada. eu era o oposto. 
Criou-se um clima de repulsa entre nós. era notório. ela era a melhor em tudo. me sentia a ultima criatura naquela casa. 
Eu via que meu pai a amava e a mim repudiava. passei a ter sentimentos terríveis por ele. sentia raiva, ódio. eu era uma garotinha mas ao mesmo tempo eu sabia que era muito maior do que aparentemente era. 
Era difícil explicar alguma coisa para a família sobre mim. qualquer que fosse a minha vontade de falar ou gritar era um fracasso. não tinha espaço para isso. 
Na escola eu continuava não parando quieta, não lia, escrevia tudo  rápido para terminar aquilo logo e não parava de olhar o relógio. eu queria era sair de lá e ver o caminho de volta para casa.
Não gostava de brinquedos convencionais, bonecas eu pintava, cortava os cabelos trocava as roupas enfim queria outra coisa que não fosse tão  bonitinha. queria pintar os olhos dela e fazer arte em tudo que ganhava. não podia estragar os brinquedos. com o passar dos anos meu pai trazia brinquedos do exterior. cachorros que latiam e sacudiam o rabinho, coisas que naquela época só gente de dinheiro tinha. ganhei certa vez uma tartaruga que caminhava de pelúcia. rasguei ela toda. odiei aquilo. 
eu gostava de bolitas. de coisas para montar e desmontar, casinhas de madeira para mudar as coisas que tinha dentro. 
eu era definitivamente a pessoa mais estranha daquela casa. 
Na terceira série eu já andava cansada daquela escola e sentia que alguma coisa estava por acontecer e seria algo muito grande em nossas vidas. eu ficava a noite olhando a janela e as estrelas. sempre gostei de dormir perto da janela para olhar a noite. me sentia tão nova e tão velha! era uma saudade enorme em meu peito! uma vontade de voltar, de ir embora daquele lugar. mas no intimo eu achava que era uma criança doente e problemática. chorei muitas noites pedindo a Jesus que me ajudasse. 
Fui levada a médicos psicólogos, psiquiatras e me medicavam. durante uns 8 ou 10 anos tinha que ir conversar qualquer coisa com o médico. nao me sentia doente, me sentia diferente da maioria.
Aos 10 anos de idade meu  Pai abandonou a família. ele recebeu uma proposta para morar no exterior ou no Rio De janeiro, ( segundo o  que me foi falado ), ele relutou por que dizia que não era lugar pra criar e educar as meninas, mas na verdade ele já tinha mudado com a nossa empregada para lá e ela estava grávida. 
Só fui saber a verdade realmente quando viajei aos 23 anos para ver isso de perto. mas realmente quando fiquei sabendo que ele compraria uma casa grande em Porto Alegre e segundo ele viria de quinze me quinze dias nos visitar. 
Assim foi, comprou a casa e ficamos muito felizes com a nova morada. minha mãe tinha 36 anos e com uma bebê de 1 aninho. 
eramos agora em cinco mulheres. 
Foram tempos  difíceis. muito difíceis. Odiei, chorei e passei a ser uma adolescente rebelde e revoltada com os homens. 
Nessa época, minha mãe foi atrás de seu pai biológico. foi um caos. ele foi encontrado numa cidadezinha perto de Lageado, era alcoólatra e foi morar com a gente, num  quartinho que tínhamos naquela casa. Minha avó materna morava na garagem também com minha tia grávida pois o seu marido ( segundo esposo ) tinha falecido e houve muitos problemas com questões materiais.
Eu contava com uns 12 ou 13 anos e tinha muitas visões. ficava com medo de falar sobre isso. nossa vida já era difícil e eu não queria tornar as coisas mais complicadas ainda. Tinha sonhos intensos, sentia medo. achava que era coisa da minha cabeça e tinha medo de voltar a ser medicada ainda mais. 
Meu avô paterno de quando em quando fugia, ficava meses fora e a policia encontrava ele jogado na rua, sujo, bêbado. minha mãe sofria muito com isso. ele  costumava beber e colocar na conta para ela pagar. não tínhamos nem para o pão e ela fazia mais contas no mercadinho para podermos ter comida. 
Meu tio, também alcoólatra foi morar conosco.  outra situação difícil.  meu avô no seus delírios costumava assediar minha mãe. foram épocas escuras e densas demais para nós. Minha mãe começou a fazer um cursinho a noite de auxiliar de enfermagem e nós 3 ( as mais velhas ) cuidávamos uma das outras. vivíamos dando um jeito e tudo corria aparentemente bem, ainda que com dificuldades em todos os aspectos. comecei a fazer um curso de datilografia aos 13 anos para trabalhar e ajudar em casa. comecei cedo a trabalhar e assim me livrar da escola. 
Na escola eu era uma negação. apenas gostava de artes e esportes, história e geografia, aliás quando estudava ( coisa rara) eu lia livros de história e engolia aquelas coisas que pra mim eram grandes inverdades mas eu tinha que fazer como os outros, entrar no mesmo embalo para parecer igual. no que tocava a religião então era pior ainda. pensava comigo mesma. como podem  mentir  tanto assim em livros? e procurava qualquer coisa para combater aquelas supostas verdades. Um dia conheci alguns moradores do bairro que contavam com a mesma idade que a minha. conheci um garoto que eu me apaixonei, tinha olhos  verdes lindos. mas era aquela coisa de garotos... primeira paixão a vista. na verdade ficamos amigos e ele gostava de religião. eu ia com ele na escola pois tinha um grupo de jovens que lá falávamos de muitas coisas da bíblia, de pecado, de fim do mundo. certo dia não sei como, pareou na minha mão uma mensagem de Fátima que falava do final do mundo. fiquei apavorada! nos reunimos e eu tirava cópias e espalhava para todos! fui motivo de muitos risos... enfim, eu sabia que alguma coisa mais adiante estava por vir e eu precisava avisar as pessoas!
Nas reuniões que ele fazia em casa com amigos chorávamos em nome de Jesus e pedíamos por misericórdia pela humanidade. 
Passou o tempo em meio as loucuras em casa com avô e tio eu resolvi parar com tudo aquilo e começamos a fazer festinhas em casa. a tal reunião dançante. já contava com meus 15 anos, só nessa época minha mãe conseguiu começar a receber a pensão alimentícia. 
Nessa época era tudo festa. bebíamos, acampávamos, andava de moto e fazia festa de tudo quanto era jeito. Mas no fundo eu queria estar longe de mim mesma. com aquelas visões, queria ficar anestesiada. bebia demais. e era muito muito infeliz. 
Meus namoros eram mais para mostrar para os meninos que eu não acreditava neles e assim, eu brincava com os sentimentos deles e dos meus também. era terrível. 
Percebi no meu intimo que eu tinha recebido e absorvido a pior imagem possível da figura masculina então tratava os homens como algo totalmente dispensável na minha vida e meus planos era jamais casar ou ter filhos. 
Comecei a trabalhar e sempre fazendo as festas e mais bebida. 
Queria provar para os outros que eu era capaz de fazer muito e realmente era muito rápida no que realizava. sempre conseguia promoções rapidamente, mas o vazio permanecia em mim. não encontrava graça real em nada. vivia a minha sombra. 
Aos 16 anos de idade, por aí, tentei o suicídio. bebi muito e estava disposta a acabar com a baboseira de vida que levava. tomei remédios, muitos mesmo e bebi muito também naquela noite. 
Parei no pronto socorro onde minha mãe apareceu me dizendo: o que tu pretende fazer comigo? eu dizia: eu te odeio! eu odeio tudo! eu odeio a vida e tudo que eu vejo.  Passei mal sim, e veio a sensação de fracasso mais uma vez. pensei: nem isso eu consigo fazer direito. 
Continuei fazendo festa e trabalhando, tocando violão e fugindo de mim mesma. 
Conheci um rapaz aos 17 anos. paixão a primeira vista. não acreditava que aquilo iria durar, mas para mim naquele momento era desimportante e não faria diferença. ficamos a noite toda conversando numa festinha de aniversário. marcamos de nos ver no dia seguinte. não levei isso a sério, porém ficou sério e ficamos juntos durante  4 anos, noivamos e eu só pedia para que ele nunca me traísse. ele me completava. era tudo pra mim, não conseguia pensar na minha vida sem ele..... mas uma noite sai da escola mais cedo ( ainda tentava sair do primeiro grau, ultimo ano), fui direto para o barzinho perto da escola onde nós nos encontrávamos. e lá estava ele sentado com uma moça sem a aliança e cheio de carinho com ela. Fiquei cega. passei reto pela mesa deles, pedi uma cerveja olhei para ele, e saí. 
No dia seguinte ele me procurou, era sábado pela manhã. pedi a minha mãe que dissesse que eu não estava. passei a noite chorando. 
No domingo a noite, fui até a casa dele e chamei por ele e joguei a aliança no seu rosto e disse: nunca mais me procure. 
Continuei tendo visões cada vez mais intensa, e continuava bebendo cada vez mais. Odiava os homens e sempre que podia fazia de tudo para magoar, para pisar e humilhar tamanha minha revolta comigo mesma e com a vida. eu definitivamente odiava a vida. eu era pessoa mais triste, infeliz e sabia que estava indo para o fundo  do poço, sem me importar se acordaria ou não. 
Minha vida na adolescência era um tédio. tudo eram máscaras, eu era uma mentira e ao mesmo tempo eu sabia que tinha tanto amor dentro de mim e não sabia onde colocar tudo isso. 
Foquei no trabalho. trabalhava muito. não tirava férias, entrava às 7.30 e saia as 22.00. sempre só. 
passei a ter cargos de confiança em qualquer empresa que trabalhasse. ganhava meu salário e gastava em bobagens e sempre vazia. no fundo eu sabia que estava preenchendo os buracos na minha alma.  
Durante algum tempo eu sofria de pânicos. depressão e não sabia o que  fazer comigo mesma. apenas chorava...
O violão me acalmava, as tintas e telas que passei a comprar depois de um cursinho de desenho eram minha companhia. pintava muito. não tinha como manter aulas e trabalhar. me metia em cursos de inglês, alemão, desenho para tentar achar um meio de preencher o meu vazio. 
Continuava a ter visões, escutava vozes, sentia presenças. 
Um dia, decidi ir morar com meu pai. foram  8 meses vivendo no Rio de Janeiro onde estudei para comissária de bordo. foi outro grande fracasso.  bebia demais, saia a noite e naturalmente meu pai me dispensou e me mandou embora. mais uma vez me senti um lixo. 
Recomecei tudo quando voltei, afinal eu já tinha 24 anos e queria um lugar decente pra viver. comecei a trabalhar numa empresa que logo fui promovida. comprei um apartamento e fui morar sozinha. 
tinha vários parceiros..mas não queria compromisso  com nenhum deles. era passatempo, vazio imenso sentia a cada um que passava na minha vida. 
Aos 26 anos voltei a morar com minha mãe que também  bebia, meu tio morava junto, bebendo e usando  drogas. tudo bem. duas irmãs ainda moravam com a mãe. a mais velha casou. 
continuei vivendo daquele jeito. mas encontrei uma pessoa diferente que tinha um barzinho onde eu e outros bebíamos, tocávamos violão... ele era muito diferente do que eu já tinha conhecido. quieto, gentil. mas eu sempre com o pé atrás. ele me encantou. saímos algumas vezes e um dia ele me disse: vamos a sociedade espirita? cresci lá. concordei , afinal não tenho nada a perder.Percebi que a minha vida estava mudando. 
Pela primeira vez eu senti que tinha esperança. que poderíamos ver as coisas de outro angulo de outra forma.
Desde cedo esses assuntos me interessavam e lá eu escutava os palestrantes falar sobre coisas que eu já sabia mas não lembrava e falavam definitivamente a minha língua. me senti aliviada por saber que eu não era louca. estudei muito sobre a Doutrina espirita Kardecista, fiz palestras durante anos, trabalhei na mesa mediúnica e aprendi a lidar com essa capacidade inerente ao ser humano. 
Casamos e tivemos um casal de filhos onde eu na época achei o melhor caminho para eles. a evangelização para eles seria pelo menos um meio para não cair como eu tinha caído várias vezes
Tínhamos uma vida simples, passamos por muitas privações materiais. mudamos de casa inúmeras vezes, mas isso para mim  não era tão complicado. percebi que eu gostava de vida simples. ele me ensinou a ter uma vida sem regalias, sem muito dinheiro e até hoje temos o suficiente para mantermos a nossa vida. 
Não temos  casa própria, nem carro, nem dinheiro no banco, apenas uma moto com a qual ele trabalha. vejo nele nesses  28 anos de convivência um amigo. e assim continuamos juntos. 
Um momento muito interessante para mim foi quando estava grávida do segundo filho, entramos numa pequena sociedade para receber passes e um médium me olhou de forma diferente ( eu sentia de longe a energia do local, as vezes a sensação de outros irmãos na sala desencarnados ). ao final do passe e palestra ele me chamou: eu gelei. e ele de forma carinhosa me disse: vc sabe a cor da sua aura? ( não tinha ideia do que ele falava ) .... eu disse que não  não sabia. então ele me disse: sua aura é  azul, violeta. você tem uma energia índigo. 
Aquilo me gravou e eu não tinha mta informação do que era ser um índigo, apenas com o tempo fui descobrir que eu tinha uma energia bastante forte, uma intuição e mediunidade aflorada. depois de muito tempo fui saber do que se tratava na verdade.
Os anos passarão, sofri muitos ataques a nível espiritual mas continuava firme no meu propósito. adoeci muitas vezes e no fundo eu sabia que me desequilibrava com facilidade. 
Durante 5 anos permaneci em uma sociedade fazendo o que me era intuído. em uma quarta feira, dia de  trabalhos mediúnicos fui convidada a trabalhar como evangelizadora e também na mesa mediúnica para trabalhos de consulta. eu não me sentia capaz para isso. mas aceitei e trabalhei durante um tempo. paralelo a isso eu dava aulas como voluntária em escolas, ensinando a pintar. era algo maravilhoso para mim. sempre gostei disso. 
Durante o período em que eu trabalhava na mesa comecei a canalizar locais que me eram estranhos mas eram desenhos também, de lugares que vinham o nome. pesquisei  mto sobre isso.
Nesse tempo eu tinha conhecido um homem com uma mediunidade incrível. ele através da internet conseguia ver tudo o que eu tinha na minha sala detalhadamente. começamos a falar com frequência e cada vez mais eu tinha premunições com ele , sobre ele, família etc...  na mesa continuava a vir mais e mais informações em desenhos e eu cada vez mais confusa a respeito. até que um dia toquei no assunto com ele e enviei os desenhos. ele os reconheceu. 
foram 3 anos de informações. ele procurou os locais, a fazenda, enfim, tudo batia com o que eu e ele recebíamos. 
foi um momento único.
Passei a ter sonhos e mais sonhos com ele e com o lugar. falávamos mto a respeito. Um dia através de uma amiga ela me disse: tenho uma amiga que faz terapia reencarnacionista. quer tentar? 
Marquei e fui. 3  horas de sessão. 
para minha surpresa vi ele como meu marido, em Minas Gerais, em uma fazenda, a mesma dos desenhos e todo o processo que passamos naquelas terras. pulei para uma vida antes dessa em Minas e parei  na França. era um soldado como ele. eramos parceiros pela luta de Joana D'Arc.... lutamos lado a lado. e eu me  vi sendo atingido (a) na perna. fui Preso (a) e levado a um local assombroso onde desencarnei. 
A Terapeuta me  trouxe de volta a fazenda naquele instante. 
Depois disso, deixei a Sociedade para sempre. me desliguei quando perguntei: quem é Deus?
Silencio.  depois as palavras repetidas como sempre. e eu disse: eu sou Deus, vcs são deuses e sou grata por ter chegado aqui, acolhida por todos mas percebo que agora meu caminho é outro. 
Me formei em Terapeuta Reikiana, em  Reiki xamanico, em mtos sistemas. tive contato através de canalizações com Asthar Sheram ( ou Arcanjo Miguel), reinos mineral, portais em Monte Shasta, Mestre Adama, Kutumi, entre outros. Comecei a canalizar a partir de 2011 onde abri esse Blog. todas canalizações. 
Agora recebo pedidos de pessoas para receber informações pessoais e também comecei a canalizar informações a nível planetário.
Para mim foi uma surpresa pois nem eu mesma acreditava que isso seria possível realizar. não acreditava na minha capacidade de canalizar tais informações.
Muitas pessoas de meu vinculo familiar sequer sabem o que realizo, mas de certa forma hoje não me importo muito com as criticas ou julgamentos que veem de todos os lados. 
Sei o que sou. sei o que faço, sei o que vim fazer aqui nesse planeta e sei que aceitei essa proposta e assim prossigo. 
Muitos de vocês que lerem esse artigo se perguntarão: Por que colocar tudo isso no blog? - por que é necessário saber que qualquer um de vocês podem estar passando pelo  mesmo  processo. por que mtos de vocês podem estar sofrendo sem saber para onde ir, como começar. o que fazer e como fazer. 
Eu digo a vocês; a formula é uma só: Seguir seu coração e compartilhar com a humanidade o que vcs tem de melhor. 
Amor. pois somos isso. Amor e Luz. 
Muitos confundem o canalizador com a canalização. 
- eu sou um ser simples, comum como qualquer outra pessoa encarnada aqui e agora. 
Expus parte de minha jornada terrena para que todos possam saber que estamos vivendo apenas uma parte mínima do que somos aqui. 
Somos simples e ao mesmo tempo deuses e Mestres. 
Eu desejo a paz profunda, o reconhecimento de si mesmo, a aceitação de sua Maestria e que todos com o amor incondicional pela vida planetária movimentem cada célula de seu ser e integrem-se nessa onda do fogo sagrado do amor puro, em beneficio próprio e em beneficio de muitos irmãos que ainda dormem nas suas sombras. ( eu passei por todas essas etapas e creiam, sobrevivi a elas ).
Como disse Chico Xavier: "confie sempre" !

Com amor e paz. 

Daisy Diel

Um comentário:

  1. Uau! Gratidão imensa por compartilhar a preciosidade divina do teu SER. Uma honra ler este depoimento, amada.
    Muita luz e amor!

    ResponderExcluir